SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número4Fibrose tecidual e sua correlação com a malignidade em neoplasias mamárias em cadelasEvidências de sindrome do ducto Mülleriano persistente em um Yorkshire terrier índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Revista Colombiana de Ciencias Pecuarias

versão impressa ISSN 0120-0690

Resumo

WEISS, Luciano A; BERNARDES-JUNIOR, Jurandir J; MACHADO, Claudia  e  DE-OLIVEIRA-NUNER, Alex P. Masculinização do Jundiá (Rhamdia quelen) através da administração dietética de 17α-metiltestosterona. Rev Colom Cienc Pecua [online]. 2018, vol.31, n.4, pp.304-314. ISSN 0120-0690.  http://dx.doi.org/10.17533/udea.rccp.v31n4a07.

Antecedentes:

O cultivo monossexo feminino é desejável na aquicultura comercial de determinadas espécies devido à maior taxa de crescimento. Idealmente, as fêmeas devem ser livres de hormônios exógenos. O passo inicial para gerar descendências femininas livres destes hormônios é a masculinização de fêmeas normais para produzir animais revertidos sexualmente, os chamados neomachos. Os neomachos podem então ser cruzados com fêmeas normais para a produção de descendências femininas.

Objetivo:

Masculinizar larvas de R. quelen utilizando o hormônio 17α-metiltestosterona (MT) incorporado no alimento.

Métodos:

Larvas de R. quelen foram alimentadas com dietas suplementadas com MT nas doses de 60, 80 ou 100 mg/kg de alimento durante 21 dias. Um grupo controle foi alimentado com dieta similar livre de MT. Aos 150 dias pós-eclosão, 30 peixes de cada grupo de tratamento foram eutanasiados para avaliação gonadal através de técnicas histológicas.

Resultados:

O uso de MT afetou significativamente a diferenciação das gônadas femininas nas doses 60 e 80 mg/kg de alimento. A reversão sexual foi observada em todos os grupos tratados com MT, gerando 50, 40 e 20% de neomachos nas doses 60, 80 e 100 mg MT/kg de alimento, respectivamente. Gônadas intersexuais foram observadas somente nos tratamentos masculinizantes. Nas maiores doses de MT, efeitos inibitórios de desenvolvimento gonadal foram observados em fêmeas e machos.

Conclusão:

A administração dietética de MT efetivamente masculinizou larvas de R. quelen. No entanto, a dose mais baixa de 60 mg/kg de alimento é recomendada devido aos efeitos inibitórios das doses mais elevadas de MT no desenvolvimento gonadal de ambos os sexos.

Palavras-chave : cultivo monossexo; gônadas de peixe; histologia; neomachos; reversão sexual.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )