SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número71Barbárie ou justicia na Patagonia ocidental: as violências coloniais no caso do povo kawésqar, finais do século XIX e princípios do século XXOs pobres estão convidados à mesa. Debates e projetos transnacionais de alimentação popular na América do Sul, 1930-1950 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Historia Crítica

versão impressa ISSN 0121-1617

Resumo

OSTOS, Natascha Stefania Carvalho de. “Por que devemos ser bons para com os animais?” A formação prática e moral dos brasileiros por meio dos discursos de proteção aos animais (1930-1939). hist.crit. [online]. 2019, n.71, pp.49-68. ISSN 0121-1617.  http://dx.doi.org/10.7440/histcrit71.2019.03.

Objetivo/contexto:

O artigo analisa a trajetória da Sociedade União Infantil Protetora dos Animais, por meio da revista Amigo dos Animais, editada por essa organização ao longo da década de 1930. A criação da entidade ocorreu em um contexto de expansão da chamada causa animal no Brasil, marcado pela atuação das entidades protetoras, pela promulgação da primeira lei federal de proteção aos animais, no ano de 1934, e pelo crescente interesse da imprensa e da opinião pública no assunto.

Originalidade:

A História Ambiental é um campo de pesquisa já assentado na América Latina. Contudo, a vertente da História dos Animais tem sido pouco explorada, particularmente no Brasil, requerendo a atenção dos estudiosos. Este artigo investiga a atuação de grupos protetores dos animais, assunto praticamente inédito na historiografia brasileira, lançando mão de um impresso ainda não estudado, a revista Amigo dos Animais.

Metodologia:

A investigação privilegia o enfoque representacional dos animais, partindo da análise da atuação e dos discursos produzidos pela Sociedade União Infantil Protetora dos Animais. Consideramos que as ações e as narrativas que constroem o animal simbólico mantém uma tensa relação com o chamado animal “real”, transitando entre a dependência da materialidade e o recurso à imaginação.

Conclusões:

O estudo demonstra que os enunciados da sociedade protetora, ao lidarem com as categorias de homem e de animal, eram perpassados por contradições que a todo o momento deixavam a descoberto o caráter instável desses conceitos. Evidenciamos que a defesa dos animais também suscitava dilemas éticos e políticos, pois implicava na necessidade de escolher quais seriam os limites dessa proteção.

Palavras-chave : Brasil; animais; imprensa; sociedades protetoras.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )