SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número2Educação para a saúde sexual: um olhar sobre os componentes integradores da didáticaModelo de promoção da saúde no trabalho: uma proposta índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Avances en Enfermería

versão impressa ISSN 0121-4500

Resumo

DA FONSECA VIEGAS, Selma Maria et al. Preciso mesmo tomar vacina? Informação e conhecimento de adolescentes sobre as vacinas. av.enferm. [online]. 2019, vol.37, n.2, pp.217-226.  Epub 16-Set-2019. ISSN 0121-4500.  http://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v37n2.76713.

Objetivo:

descrever o conhecimento dos adolescentes do 9o ano do ensino fundamental de escolas públicas sobre vacinas, as doenças imunopre-veníveis e as doenças transmissíveis.

Método:

estudo epidemiológico transversal, descritivo, desenvolvido com 605 adolescentes de 22 escolas públicas de um município de grande porte do estado de Minas Gerais, Brasil.

Resultados:

as fontes de informação mais citadas pelos adolescentes sobre infecções transmissíveis e formas de prevenção foram: escola (65,1 %), comunicação de massa (48,4 %) e pai e mãe (29,9 %). Sobre o conhecimento de infecções/doenças imunopreveníveis, 61,5 % dos adolescentes citaram a febre amarela (EA) e 5,6 % o papilomavírus humano (VPH). Além disso, 607 % relataram serem vacinados contra a paralisia infantil, 56 % contra a EA e 5 % contra o VPH. A cobertura vacinal média identificada na coleta de dados foi de 45,1 %, aumentando para 91 % após a vacinação. Considerando as respostas dos adolescentes sobre as vacinas presentes no cartão e com qual imunobiológico já tinham sido vacinados, a análise de Kappa evidenciou uma concordância substancial em relação à vacina contra EA e uma concordância moderada entre as demais vacinas.

Conclusão:

evidenciou-se (des)infor-mação dos adolescentes sobre vacinas, doenças transmissíveis e as imunopre-veníveis e baixa cobertura vacinal (41 %). A comunicação/informação em saúde foram efetivas na decisão dos adolescentes de se vacinarem, aumentando a cobertura vacinal (91 %).

Palavras-chave : Vacinação; Saúde Pública; Comunicação em Saúde; Adolescente (fonte: DeCS, BIREME).

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )