SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número1HOMEOSTASE E REPRESENTAÇÕES INTELECTUAIS: UMA APROXIMAÇÃO AO COMPORTAMENTO MORAL A PARTIR DA TEORIA DA EMOÇÃO DE ANTONIO DAMASIOA QUESTÃO DE TUNDO SOBRE O TEMA DO ABORTO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Persona y Bioética

versão impressa ISSN 0123-3122

Resumo

DOSE PESSOAL DE DROGAS: INCONSISTÊNCIAS TÉCNICO-CIENTÍFICAS NA LEGISLAÇÃO E NA JURISPRUDENCIA COLOMBIANA. pers.bioét. [online]. 2015, vol.19, n.1, pp.99-116. ISSN 0123-3122.  http://dx.doi.org/10.5294/PEBI.2015.19.1.8.

Com a promulgação da Lei 30 de 1986, incluiu-se o conceito do consumo da dose pessoal de drogas. A Corte Constitucional, mediante a sentença C-221 de 1994, resolveu a demanda de constitucionalidade apresentada pelo cidadão Alexandre Sochandamandou, na qual ratificou o conceito de "dose pessoal de consumo de drogas" e despenalizou-o. Neste artigo, apresenta-se o desconhecimento da legislação e da jurisprudência sobre a opinião técnico-científica quanto a essa temática, que originou diversas inconveniências, inconsistências, vazios e imprecisões técnico-científicas que entram em conflito com normas e tratados internacionais de ética médica, assim como com evidência médica encontrada sobre os efeitos colaterais ocasionados pelas drogas na saúde dos seus consumidores.

Palavras-chave : substâncias psicoativas; drogas ilícitas; dose pessoal; ética médica; jurisprudência; farmacodependência.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Espanhol     · Espanhol ( pdf )