SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número27Gestalt y Heterodoxia: un cambio proactivo aplicable en la praxis investigativa universitariaLa Triple Frontera como centro de atracción del yihadismo en América Latina: Orientación teórico-histórica índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Hallazgos

versión impresa ISSN 1794-3841

Resumen

YEPES MUNOZ, Wilfer Alexis. Intencionalidade e ausência em O ser e o nada de Jean-Paul Sartre. Hallazgos [online]. 2017, vol.14, n.27, pp.93-110. ISSN 1794-3841.

Esta reflexão afunda suas raízes na tensão original da consciência com seu correlato, isto é, da consciência como consciência de algo. Sobre este pilar da fenomenologia husserliana, Sartre constrói as estruturas do para-si que na segunda e na terceira parte de O ser e o nada, delimitam essa tensão entre a nada humana como para-si e o em-si como ser maciço. Esta consciência, por tanto, passará a ser uma consciência de nada como consciência reflete, permitindo que se instaure em essa relação ontológica com o ser uma ausência na compressão total da condição humana. Nesta perspectiva se construirá uma ontologia do obrar humano como construção de um ser pessoal sempre adiado, aliás, ausente. Esta reflexão pretende, por tanto, uma leitura do texto que vincule a intencionalidade como pilar da fenomenologia com o conceito de ausência como componente subjacente à tensão em-si-para-si. O texto se divide em três momentos: a nada, a ausência e o ser; a ausência como negatividade criadora; e o obrar ontológico.

Palabras clave : Intencionalidade; ausência; liberdade; existência; Sartre.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Español     · Español ( pdf )