SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue2The lived experience of undergraduate student parents: roles compatibility challengeRapid response team: what factors interfere with its performance? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Investigación y Educación en Enfermería

Print version ISSN 0120-5307
On-line version ISSN 2216-0280

Invest. educ. enferm vol.36 no.2 Medellín May/Aug. 2018

http://dx.doi.org/10.17533/udea.iee.v36n2e04 

Artigo Original

Conhecimento: processo da doença em pacientes submetidos à hemodiálise

Jeysse Karla de-Araújo-Ferreira1  , Natália Ramos-Costa-Pessoa2  , Nayana Pereira-Pôrto3  , Laís Nóbrega-Mendes-Santos4  , Ana Luisa Brandão-de-Carvalho-Lira5  , Cecília Maria Farias-de-Queiroz-Frazão6 

1 Nursing undergraduate student. Health Sciences Center of the Federal University of Pernambuco, Brazil. email: karlaaraujo0804@gmail.com

2 Nurse, Specialist, Master Student. Health Sciences Center of the Federal University of Pernambuco, Brazil. email: nataliarcpessoa@gmail.com

3 Nurse, Specialist. Health Department of the State of Pernambuco, Brazil. email: nayanaporto@gmail.com

4 Nurse, Specialist. Health Department of the State of Pernambuco, Brazil. email: laisnobregams@gmail.com

5 Nurse, PhD. Adjunct Professor, Health Sciences Center, Federal University of Rio Grande do Norte, Brazil. email: analuisa_brandao@yahoo.com.br

6 Nurse, PhD. Professor, Health Sciences Center of the Federal University of Pernambuco, Brazil. email:ceciliamfqueiroz@gmail.com

Resumo

Objetivo

Identificar a relação das variáveis ​​socioeconômicas com os indicadores do resultado de enfermagem Conhecimento: processo da doença.

Métodos

Estudo transversal em que participaram 51 pacientes em hemodiálise de um hospital público de referência em nefrologia em uma cidade no nordeste do Brasil. Foi utilizado um formulário contendo perguntas sobre informações sócio-demográficas e sobre os 15 indicadores do resultado de enfermagem Conhecimento: processo da doença.

Resultados

Foi encontrada uma correlação significativa, mas baixa, entre a idade e os indicadores de processo específico da doença (r=-0.28), causa e os fatores colaboradores (r=-0.36), sinais e sintomas da doença (r=-0.30), sinais e os sintomas de complicações da doença (r=-0.37), precauções para prevenir complicações da doença (r=-0.35); anos de estudo e os indicadores processo específico da doença (r=0.29), causa e fatores colaboradores (r=0.28), e sinais e sintomas da doença (r=0.34). Houve correlações significativas e moderadas da idade com o indicador efeito psicossocial da doença no indivíduo (r=-0.41), da doença na família (r=-0.44) e os benefícios do controle da doença (r=-0.48). O sexo foi relacionado apenas com o indicador processo específico da doença (p=0.03).

Conclusão

Há relação entre alguns indicadores do resultado Conhecimento: processo de doença com as variáveis ​​sócio-demográficas em pacientes submetidos à hemodiálise, fato que ressalta a importância da implementação de intervenções de enfermagem que levem em consideração as particularidades do indivíduo.

Palavras-Chave: Insuficiência Renal Crônica; Diálise Renal; Processo de Enfermagem; Conhecimento; Educação em saúde, terminologia padronizada em enfermagem

Introdução

O processo de envelhecimento da população favorece a manifestação de doenças crônicas, as quais podem estar associadas à diminuição gradativa das funções reguladoras do organismo, evidenciando maior vulnerabilidade a determinados fatores patológicos.1 Dentre as doenças crônicas, a doença renal crônica (DRC) se destaca por ser uma patologia de elevada morbimortalidade, com incidência progressiva no Brasil e no mundo.2 Ela é definida pela presença de uma lesão no parênquima renal associada ou não à redução da Taxa de Filtração Glomerular (TFG) por, no mínimo, três meses consecutivos ou, ainda, pela presença de TFG inferior a 60 mL/minuto/1.73m2por 3 meses ou mais.3 Devido a esse caráter progressivo, a DRC vem sendo encarada como um problema de saúde pública. Em 2016, a Sociedade Brasileira de Nefrologia estimou que, aproximadamente, 113 mil pacientes realizavam alguma modalidade terapêutica para o controle da DRC no Brasil, o que representou um aumento 6.3% referente ao número de pacientes em tratamento no ano de 2011.4

A modalidade terapêutica escolhida depende do estágio da doença. Dessa forma, o paciente com DRC poderá receber o tratamento conservador, com medidas terapêuticas medicamentosas e dietéticas, ou através de uma terapia renal substitutiva (TRS), a qual é necessária quando ocorre progressão da doença. As TRS atualmente disponíveis são: a diálise, representada pela hemodiálise e diálise peritoneal e o transplante renal.5 Entre as terapias de substituição renal, a hemodiálise é a mais utilizada pelos portadores de DRC. Essa modalidade exige adaptações na vida do paciente devido às restrições impostas, o que refle diretamente na sua qualidade de vida.6 Essas adaptações podem ser identificadas, por exemplo, no tempo reservado para as sessões de tratamento e consultas médicas. Além disso, podem ser observadas alterações físicas, sociais, psíquicas e emocionais causadas pela patologia, o que pode repercutir em isolamento e falta de disposição para o enfrentamento de suas atribuições diárias.1

A fim de auxiliar na assistência desse paciente, o Processo de Enfermagem deve ser realizado de maneira deliberada e sistemática. Para tanto, devem ser percorridos cinco etapas inter-relacionadas, interdependentes e recorrentes, são elas: Histórico de Enfermagem, Diagnóstico, Planejamento, Implementação e Avaliação de Enfermagem.7 Dessa forma, o uso da terminologia da Nursing Outcomes Classification (NOC), que engloba resultados e indicadores para serem identificados e avaliados durante a etapa de planejamento do processo de enfermagem, representa um artifício para a prática clínica da enfermagem. Entre os resultados de enfermagem inseridos na NOC, julga-se importante avaliar entre os pacientes com DRC o “1803 - Conhecimento: processo da doença, o qual é definido como o alcance da compreensão transmitida sobre um processo específico da doença e a prevenção das complicações”.8 Deste modo, considera-se indispensável conhecer o público de pacientes renais em hemodiálise e suas especificidades, a fim de estabelecer possíveis associações com o resultado de enfermagem a ser estudado, a fim de contribuir no planejamento mais eficaz das orientações prestadas. Diante disso, o presente artigo objetiva verificar a relação entre os dados sociodemográficos e o resultado de enfermagem Conhecimento: processo da doença em pacientes submetidos à hemodiálise.

Métodos

Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal, de natureza quantitativa, desenvolvido em uma unidade de hemodiálise de um hospital público de referência em nefrologia no Estado de Pernambuco/Brasil entre os meses de agosto a dezembro de 2016. A população do estudo foi composta por 74 pacientes, que representava o total de indivíduos que realizavam hemodiálise no serviço. Para seleção da amostra, foram aplicados os critérios de elegibilidade, sendo os de inclusão: possuir idade superior a 18 anos e apresentar diagnóstico médico de DRC; e os de exclusão: apresentar dificuldade na comunicação verbal ou desorientação quanto ao tempo, espaço ou auto psíquico e possuir o diagnóstico médico de Insuficiência Renal Aguda. Assim, 23 pacientes não participaram do estudo devido a presença de algum critério de exclusão e/ou não apresentar os critérios de inclusão. Restando assim, uma amostra de 51 pacientes. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação de um formulário de entrevista aos pacientes durante as sessões de hemodiálise e após a leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O formulário foi aplicado por duas enfermeiras residentes de nefrologia e duas acadêmicas do curso de enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco, as quais foram previamente treinadas. O formulário utilizado foi composto por duas partes: 1) perguntas de dados sociodemográficos e clínicos, e 2) questões relativas aos indicadores do resultado da NOC 1803 - Conhecimento: processo da doença.

Para este estudo, os dados sociodemográficos utilizados foram: idade (em anos), sexo (feminino ou masculino), situação conjugal (com companheiro ou sem companheiro), procedência (região metropolitana do Recife, interior do estado de Pernambuco ou outros), praticante de uma religião ( sim ou não), anos completos de estudo, renda familiar (número de salários mínimos -1 salário mínimo = R$ 880, que equivale a 3520 dólares para o ano de 2016), ocupação (desempregado, aposentando/beneficiado ou outros). Já em relação aos dados clínicos, foram definidos como variáveis o tempo de diagnóstico da DRC (em meses), tempo de submissão à hemodiálise (em meses) e o sítio de diálise (Fístula Arteriovenosa-FAV, Cateter Duplo Lúmen-CDL/ Cateter Triplo Lúmen-CTL, Permcath e Prótese). E os indicadores utilizados do resultado da NOC 1803 - Conhecimento: processo da doença para a especificação da DRC foram 15, a saber: Processo específico da doença; Causa e fatores colaboradores; Fatores de risco; Efeitos da doença; Sinais e sintomas da doença; Curso usual do processo da doença; Estratégias para minimizar a progressão da doença; Complicações potenciais da doença; Sinais e sintomas de complicações da doença; Precauções para prevenir complicações da doença; Efeito psicossocial da doença sobre o indivíduo; Efeito psicossocial da doença na família; Benefícios do controle da doença; Grupos de apoio disponíveis e Fontes respeitáveis de informações específicas sobre a doença.9

As graduações utilizadas para os indicadores apresentaram a seguinte classificação: 1 = nenhum conhecimento; 2 = conhecimento limitado; 3 = conhecimento moderado; 4 = conhecimento substancial; e, 5 = conhecimento amplo. Salienta-se que para elucidar os indicadores e as graduações, foram identificadas definições operacionais oriundas de pesquisa realizada por meio de uma revisão narrativa da literatura em livros textos e nas bases de dados. Assim, as graduações foram definidas de acordo com o número de respostas corretas indicadas pelo paciente, exceto no que se referem aos indicadores Grupos de apoio disponíveis, Fontes respeitáveis de informações específicas sobre a doença e Curso usual do processo da doença. Nesses indicadores, existiam quatro opções de respostas, sendo a ausência de resposta ou a escolha de cada uma delas pelo paciente relacionada a uma graduação do conhecimento. Os resultados oriundos da pesquisa foram digitados no programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 20.0 para formação do banco de dados. Isso possibilitou a análise desses dados com o desenvolvimento de estatísticas descritivas por meio de frequência absoluta, percentual, médias, mediana, desvio padrão e percentis de cada variável. O teste de Kolmogorov-Smirnov foi realizado para avaliar a distribuição dos dados quantitativos quanto a sua normalidade. Para verificação das associações entre as variáveis, fez-se uso do teste de Correlação de Spearman, teste de Mann-Whitney e teste de Kruskal-Wallis. Quanto à classificação da força na aplicação do teste de Correlação de Spearman entre as variáveis, adotaram-se os valores: 0.00 - 0.19 (ausente ou muito fraca), 0.20 - 0.39 (fraca), 0.40 - 0.59 (moderada), 0.60 - 0.79 (forte), e 0.80 - 1.00 (muito forte).10 Para a significância estatística dos testes citados, adotou-se um nível de 0.05. Ressalta que o estudo só foi iniciado após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (Parecer nº 1.451.524 e CAAE 53172216.9.0000.5208), respeitando as disposições da Resolução nº. 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde, que disciplina as pesquisas envolvendo seres humanos.

Resultados

Neste estudo, a média de idade dos pacientes com DRC foi de 50.1±15.2 anos (mínimo = 20, máximo = 89), 62.7% foram do sexo feminino (62.7%), procedentes da Região Metropolitana do Recife (100%), 70.6% vivia com seu companheiro, tinham, em média, 9±3.3 anos de estudo, dispunham de uma renda familiar de 1.7±1.1 salários mínimos. Quanto à crença, 84.3% praticavam alguma religião e quanto a ocupação, 60.8% era Aposentado/Beneficiado (60.8%), 9.8% desempregado e 29.4% tinham outra ocupação. Sobre as variáveis clínicas, o tempo de Diagnóstico da DRC foi de 31.1±16.5 meses e o de tratamento foi de 29.5±5.8 meses. O sítio de diálise prevalente foi a FAV (88.2%), seguindo-se do Permcath (Longa permanência) e da prótese arteriovenosa, com 5.9% cada um. Relativo aos indicadores do resultado de enfermagem da NOC 1803 - Conhecimento: processo da doença, eles são descritos em detalhes natabela 1. Observou-se que em nenhum dos indicadores de resultado os participantes tiveram conhecimento classificado como substanciais ou amplos e que prevaleceu a categoria de nenhum conhecimento em 8 dos 15 indicadores (em dois obtiveram 100%: Grupos de apoio disponíveis e Fontes respeitáveis de informações específicas sobre a doença).

Tabela 1 Caracterização dos pacientes com DRC submetidos á hemodiálise quanto ao conhecimento acerca dos indicadores do resultado Conhecimento: processo da doença da NOC. Recife - PE, 2016 

Quanto à associação entre os dados sociodemográficos e os indicadores do resultado da NOC Conhecimento: processo da doença, constatou-se correlação estatisticamente significativa de intensidade fraca entre os seguintes dados: idade e os indicadores processo específico da doença (rs=-0.282, p=0.045), causas e fatores colaboradores (rs=-0.356, p=0.010), sinais e sintomas da doença (p=0.032; rs=-0.300), sinais e sintomas de complicações da doença (rs=-0.370, p=0.007), precauções para prevenir complicações da doença (rs=-0.352, p=0.011); anos de estudo e os indicadores processo específico da doença (rs= 0.286, p= 0.042), causa e fatores colaboradores (rs= 0.287, p=0.041), e sinais e sintomas da doença (rs= 0.342, p=0.014). Já a correlação estatisticamente significativa de intensidade moderada, foi identificada entre os dados: idade e efeito psicossocial da doença sobre o indivíduo (rs=-0.411, p=0.003), efeito psicossocial da doença na família (rs=-0.436, p=0.001) e benefícios do controle da doença (p=0.000; rs= -0.489). E através do teste U de Mann-Whitney notou-se associação entre a variável sexo e o indicador: processo específico da doença (p=0.029). Não foram observadas associações estatisticamente significantes entre nenhuma variável clínica e os indicadores do resultado da NOC Conhecimento: processo da doença entre os pacientes analisados.

Discussão

A discussão foi pautada nos dados que obtiveram associação estatística significante. A amostra estudada revelou ser predominante de adultos, do sexo masculino e com ensino fundamental completo, tendo essas variáveis (idade, sexo e escolaridade) associação estatística significativa com oito dos indicadores sobre o conhecimento da doença renal crônica. A variável idade apresentou associação estatística com os indicadores: processo específico da doença, referenciado como a definição da DRC e causas e fatores colaboradores, referenciado como as principais causas que levam a DRC. Fato que também é apontando na pesquisa realizada em um ambulatório de nefrologia em Goiás, na qual pacientes renais revelaram desconhecimento de informações importantes relativas à DRC, como o seu caráter incurável, evidenciado em 20% da amostra, e as principais causas da doença renal.11 Assim como, outra pesquisa apontou um baixo índice de pacientes renais crônicos que identificaram o diabetes e a hipertensão como possíveis causas de acometimento renal.12

A idade também se relacionou significativamente com o indicador sinais e sintomas da doença, referenciado como os possíveis sinais e sintomas da DRC. Uma pesquisa que evidenciou o conhecimento de autogestão dos pacientes com DRC, mostra déficit significativo no reconhecimento dos sintomas da doença em fase avançada e revela desconhecimento sobre a forma assintomática da patologia. Esse fato pode levar a resultados prejudiciais, uma vez que se prolonga a busca pela assistência à saúde.13 Igualmente, observou-se significância estatística entre a idade e os indicadores: sinais e sintomas de complicações da doença; e precauções para prevenir as complicações da doença, referenciados como os sinais e sintomas das complicações e as formas de prevenção das complicações da DRC, respectivamente. Pesquisa realizada em uma clínica para doentes renais crônicos teve como objetivo determinar o conhecimento percebido pelos pacientes em terapia dialítica, revelando que pacientes com idade abaixo de 50 anos apresentaram melhores escores em relação ao conhecimento da doença renal.14 Outra pesquisa também apontou que pacientes mais velhos tiveram menor consciência sobre a DRC.15

Desta maneira, tal constatação reforça a importância do conhecimento sobre sinais e sintomas de complicações da DRC e as precauções para preveni-las. Pesquisa aponta que as complicações autorrelatadas mais prevalentes em idosos com DRC são: hipertensão (77.1%), câimbras (57.1%), anemia (54.3%), perda de peso (54.3%) e dor (51.4%) e estes tiveram correlação com os escores de fragilidade apresentados.16 A variável idade apresentou, ainda, correlação moderada com os indicadores efeito psicossocial da doença sobre o indivíduo e efeito psicossocial da doença na família. Referindo-se esse efeito no paciente renal, verificou-se que os indivíduos com idade mais avançada necessitam de mais apoio e suporte que os jovens.17 Sabe-se que o apoio social é indispensável na condução da doença renal e devem ser direcionados tanto ao paciente quanto aos seus cuidadores. Apesar disso, foram identificadas médias menores desses tipos de apoio entre cuidadores quando comparadas as apresentadas pelos pacientes.18 Tais fatos reforçam a importância da existência de intervenções para apoio educacional, social e psicológico a fim de promover a capacidade de lidar com as adversidades geradas pela doença.

Neste estudo, a idade também apresentou correlação com o indicador benefícios do controle da DRC. Demonstrou-se, em uma pesquisa feita com indivíduos em tratamento hemodialítico de uma unidade de terapia renal substitutiva de São Paulo, correlação estatisticamente significante entre a capacidade de autocuidado e a qualidade de vida de pacientes com DRC.19 A qualidade de vida, nesse caso, pode ser considerada um benefício das ações de autocuidado, os quais auxiliam no controle da doença renal. Outro estudo que analisou os fatores relacionados ao autocuidado de pacientes com DRC mostrou correlação positiva entre a idade e o autocuidado. Da mesma forma, foi identificada correlação positiva entre o autocuidado e o conhecimento apresentado pelo paciente.20 Desse modo, o fato do doente renal apresentar informações corretas sobre os cuidados direcionados a si pode influenciar na sua prática. Em relação a variável sexo, houve correlação estatisticamente significativa quando associado ao indicador processo específico da doença. Contrapondo-se aos resultados deste estudo, uma pesquisa com pacientes de clínicas ambulatoriais da Jordânia, não obteve resultados estatisticamente significativos quando comparou o nível de conhecimento relacionado ao sexo. No entanto, houve significância quando se associou o gênero com atitudes e práticas sobre prevenção de doenças renais crônicas e detecção precoce.21) Já a variável escolaridade, apresentou correlação de intensidade fraca com os indicadores: processo específico da doença, causas e fatores colaboradores e sinais e sintomas da doença. Em uma pesquisa que avaliou a influência da formação educacional na saúde, foi evidenciado que o nível de escolaridade está associado à aprendizagem, resultando em diferenças nos resultados de saúde entre portadores de DRC.22 Sobre o indicador sinais e sintomas da doença renal crônica, um estudo reforçou sua correlação com a variável escolaridade. Observou-se que os sujeitos com ensino fundamental incompleto apresentaram um risco de prejuízo 4.7 vezes maior que os respondentes com maior escolaridade em relação ao domínio “sinais e sintomas” da escala utilizada para mensurar a qualidade de vida no estudo.23

Com as descobertas apresentadas, reconhece-se que o conhecimento sobre a DRC pode ser um fator importante na busca de melhores resultados de aderência e enfrentamento da patologia pelo paciente. Dessa forma, intervenções educacionais que abordem questões gerais sobre a doença e as formas de lidar com as mudanças implementadas para melhorar os resultados entre pacientes renais. No entanto, é importante lembrar os vários estágios e representações da doença, os quais exigem diferentes estratégias de conhecimento e enfrentamento.12 Por fim, não foi observada a relação dos dados clínicos com os indicadores do resultado de enfermagem da NOC 1803 - Conhecimento: processo da doença. Outrossim, reconhece a necessidade do desenvolvimento de intervenções de enfermagem no âmbito da educação em saúde, enaltecendo o envolvimento do paciente e da família no processo de aprendizagem com foco na abordagem do conhecimento da doença e sendo direcionadas ao perfil do indivíduo.

References

1. Costa GMA, Pinheiro MBGN, Medeiros SM, Costa RRO, Cossi MS. Calidad de vida en pacientes con insuficiencia renal crónica en hemodiálisis. Enferm. Glob. 2016; 15(43):59-73. [ Links ]

2. Xavier BLS, Santos I, Almeida RF, Clos AC, Santos MT. Características individuais e clínicas de clientes com doença renal crônica em terapia renal substitutiva. Rev. Enferm. UERJ. 2014; 22(3):314-20. [ Links ]

3. Kirsztajn GM, Filho NS, Draibe SA, Netto MVP, Thomé FS, Souza E, Bastos MG. Leitura rápida do KDIGO 2012: Diretrizes para avaliação e manuseio da doença renal crônica na prática clínica. J. Bras. Nefrol. 2014; 36(1):63-73. [ Links ]

4. Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Brazilian Chronic Dialysis Census 2016. J. Bras. Nefrol . 2017; 39(3):261-6. [ Links ]

5. Silva JS. A teoria de Orem e a sua aplicabilidade na assistência ao paciente renal crônico. Rev. Enferm. UFPI. 2014; 3(3):105-8. [ Links ]

6. Alves LO, Guedes CCP, Costa BG. As ações do enfermeiro ao paciente renal crônico: reflexão da assistência no foco da integralidade. Rev. Pesqui. Cuid. Fundam. 2016; 8(1):3907-21. [ Links ]

7. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução COFEN Nº 358, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. In: Conselho Federal de Enfermagem [Internet]. Brasília: COFEN; 2009 [cited 24 Apr 2018]. Available from: Available from: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.htmlLinks ]

8. Silva NCM, Oliveira ARS, Carvalho EC. Conhecimento produzido sobre os resultados da “Nursing Outcomes Classification - NOC”: revisão integrativa. Rev. Gaúch. Enferm. 2015; 36(4):104-11. [ Links ]

9. Moorhead S, Johnson M, Maas M. Classificação dos resultados de enfermagem - NOC. 4ªed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. [ Links ]

10. Swinscow TDV. Chapter11. Correlation and regression. In: Swinscow TDV . Statistics at square one [Internet]. London: BMJ Publishing Group; 1997 [cited 24 Apr 2018]. Available from: Available from: ww.bmj.com/about-bmj/resources-readers/publications/statistics-square-one/11-correlation-and-regressionLinks ]

11. Moraes KL, Brasil VV, Oliveira GF, Cordeiro JABL, Silva AMTC, Boaventura RP, et al. Letramento funcional em saúde e conhecimento de doentes renais em tratamento pré-dialítico. Rev. Bras. Enferm. 2017; 70(1):155-62. [ Links ]

12. Roomizadeh P, Taheri D, Abedini A, Mortazavi M, Larry M, Mehdikhani B, et al. Limited knowledge of chronic kidney disease and its main risk factors among Iranian community: an appeal for promoting national public health education programs. Int. J. Health Policy Manag. 2014; 2(4):161-6. [ Links ]

13. Enworom CD, Tabi M. Evaluation of kidney disease education on clinical outcomes and knowledge of self-management behaviors of patients with chronic kidney disease. Nephrol. Nurs. J. 2015; 42(4):363-72. [ Links ]

14. Danguilan RA, Cabanayan-Casasola CB, Evangelista NN, Pelobello MLF, Equipado CD, Lucio-Tong ML, et al. An education and counseling program for chronic kidney disease: strategies to improve patient knowledge. Kidney Int. Suppl. 2013; 3:215-8. [ Links ]

15. Saunders MR, Kim SD, Patel N, Meltzer DO, Chin MH. Hospitalized Patients Frequently Unaware of Their Chronic Kidney Disease. J. Hosp. Med. 2015; 10(9):619-22. [ Links ]

16. Meira AS, Batista MA, Pereira RMP, Rodrigues RAP, Fhon JRS, Kusumota L. Frailty in elderly patients with chronic kidney disease under conservative treatment. Rev. RENE. 2016; 17(3):386-92. [ Links ]

17. Moraes AMP. Qualidade de Vida e Depressão em pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise [Internet]. Ribeirão Preto (SP): Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - USP; 2014 [cited 24 Apr 2018]. Available from: Available from: http://pesquisa.bvsalud.org/ses/resource/pt/ses-31661Links ]

18. Pereira BS, Fernandes NS, Melo NP, Abrita R, Grincenkov FRS, Fernandes NMS. Beyond quality of life: a cross sectional study on the mental health of patients with chronic kidney disease undergoing dialysis and their caregivers. Health Qual. Life Outcomes. 2017; 15:74. [ Links ]

19. Bettoni LC, Ottaviani AC, Orlandi FS. Associação entre o autocuidado e a qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica. Rev. Eletrônica Enferm. 2017; 19-14. [ Links ]

20. Wu SV, Hsieh N, Lin L, Tsai J. Prediction of self-care behaviour on the basis of knowledge about chronic kidney disease using self-efficacy as a mediator. J. Clin. Nurs. 2016; 25:2609-18. [ Links ]

21. Khalil A, Abdalrahim M. Knowledge, attitudes, and practices towards prevention and early detection of chronic kidney disease. Int. Nurs. Rev. 2014; 61(2):237-45. [ Links ]

22. Green JA, Cavanaugh KL. Understanding the Influence of Educational Attainment on Kidney Health and Opportunities for Improved Care. Adv. Chronic Kidney Dis. 2015; 22(1):24-30. [ Links ]

23. Fukushima RLM, Menezes ALC, Inouye K, Pavarini SCI, Orlandi FS. Quality of life and associated factors in patients with chronic kidney disease on hemodialysis. Acta Paul. Enferm. 2016; 29(5):518-24. [ Links ]

Conflicts of interest: none.

How to cite this article: Ferreira JKA, Pessoa NRC, Pôrto NP, Santos LNM, Lira ALBC, Frazão CMFQ. Knowledge: disease process in patients undergoing hemodialysis. Invest. Educ. Enferm. 2018; 36(2):e04.

Recebido: 19 de Setembro de 2017; Aceito: 31 de Maio de 2018

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License