SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue3Psychosocial Risks Associated with Burnout Syndrome Among University ProfessorsThe Extension of Prison Time and the Violation of Rights in Custody of Prisoners in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Avances en Psicología Latinoamericana

Print version ISSN 1794-4724

Av. Psicol. Latinoam. vol.35 no.3 Bogotá Sep./Dec. 2017

http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.4505 

Artigos

Trabalho emocional e burnout: um estudo com policiais militares

Emotional Labor and Burnout: A Study with the military Police

Trabajo emocional y burnout: un estudio con policías militares

Joatã Soares Coelho-Alves*  a  , Pedro Fernando Bendassolli*  , Sônia Maria Guedes-Gondim** 

*Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil

** Universidade Federal da Bahia, Brasil

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi verificar o papel preditor do trabalho emocional na incidência de burnout em policiais militares. Participaram 525 profissionais mi litares, sendo 408 homens e 117 mulheres. Três escalas adaptadas para o português foram usadas no estudo: Emotional Labour Scale, Emotion Work Requirements Scale e a subescala de exaustão emocional do Maslach Burnout Inventory. Análises de regressão múltipla foram realizadas para testar o poder preditivo das dimensões de trabalho emocional e de variáveis sociodemográficas sobre o burnout. Os resultados indicam que todas as dimensões de trabalho emocional se mostraram predi-toras do burnout: variedade e intensidade das emoções, frequência de interação com suspeitos e criminosos, regulação profunda e regulação superficial, e a neces sidade de expressar emoções positivas como parte do trabalho policial. Possuir ensino médio completo, ser Cabo, e atuar no serviço externo também foram predi-tores do burnout. As evidências do impacto do trabalho emocional e do cargo na incidência de burnout põem em destaque a importância de se dar atenção especial à saúde e ao desenvolvimento de competências socioe-mocionais de policiais militares.

Palavras-Chave: trabalho emocional; burnout; policiais militares; validação cruzada; regressão linear múltipla

Abstract

The aim of this research was to investigate the predictive role of emotional labor in the incidence of police offi cers' burnout. The sample consisted of 525 police officers, divided in 408 men and 117 women. Three scales adapted to the Portuguese were used in the study: the Emotional Labor Scale, the Emotional Work Requi rements Scale and the emotional exhaustion's subscale of the Maslach Burnout Inventory for Human Service Survey. Multiple regression analyzes were performed to test the predictive power of the dimensions of emotio nal labor and sociodemographic variables on burnout. The results indicate that all emotional labor dimensions were predictive of burnout: variety and intensity of emotions, frequency of interaction with suspects and criminals, deep and surface acting, and the perceived need to express positive emotions as part of the police work. Have completed high school, be a Cabo, and ac ting on external service also were predictors of burnout. Evidence of the emotional labor and post impact on the incidence of burnout underlines the importance of giving special attention to the health and development of socio-emotional skills of military police.

Key words: Emotional labor; burnout; police officers; cross validation; multiple linear regression

Resumen

El objetivo de esta investigación fue verificar el papel predictor del trabajo emocional en la incidencia del burnout en policías militares. Participaron 525 mili tares profesionales: 408 hombres y 117 mujeres. Tres escalas adaptadas para portugués fueron usadas en el estudio: Emotional Labour Scale, Emotion Work Requi rements Scale y la subescala de agotamiento emocional de Maslach Burnout Inventory. Análisis de regresión múltiple fueron realizados para evaluar el poder pre-dictivo de las dimensiones de trabajo emocional y de variables sociodemográficas sobre el burnout. Los re sultados indican que todas las dimensiones de trabajo emocional se mostraron como predictores de burnout: variedad e intensidad de las emociones, frecuencia de interacción con sospechosos y criminales, regulación profunda y regulación superficial, y la necesidad de expresar emociones positivas como parte del trabajo policial. Haber completado la escuela secundaria, ser Cabo y actuar en el servicio extremo también fueron predictores de burnout. Las evidencias del impacto del trabajo emocional y del cargo en la incidencia de burnout ponen en evidencia la importancia de dar aten ción especial a la salud y al desarrollo de competencias socioemocionales de policías militares.

Palabras-clave: trabajo emocional; burnout; policías militares; validación cruzada; regresión linear múltiple

A síndrome do burnout, na perspectiva de Mas lach, Schaufeli & Leiter (2001), é definida como um fenômeno multidimensional, relacionado a res-postas crônicas do organismo a diversos estressores presentes no ambiente laboral. Três dimensões a compõem (Hakanen & Schaufeli, 2012): (i) exaus tão emocional, resultante de um esgotamento de recursos emocionais ocasionado, principalmente, pela sobrecarga e conflitos pessoais no trabalho; (ii) despersonalização, caracterizada por reações negativas, incluindo o cinismo e o distanciamento e indiferença para com o trabalho e as pessoas; e (iii) diminuição da percepção de realização pesso al, que corresponde a uma avaliação negativa do próprio trabalho, acompanhado de um sentimento de baixa competência e capacidade produtiva.

Acumulam-se evidências empíricas de que as características da atividade profissional de policiais e suas condições de trabalho os expõem a riscos físicos, sofrimento psíquico, tabagismo, alcoolismo e ideação suicida (e.g., Dantas, Brito, Rodrigues & Maciente, 2010; Guimarães, Mayer, Bueno, Minari & Martins, 2014; Oliveira & Santos, 2010; Van Gelderen, 2013), contribuindo também para a emergência da síndrome de burnout. Os policiais são diretamente expostos aos efeitos decorrentes das interações sociais com públicos diversifica dos: cidadãos, contraventores e criminosos, o que demanda maior habilidade de manejo emocional (Dantas et al., 2010; Van Gelderen, 2013).

Adicionalmente, o policial lida com múltiplas tensões que aumentam a exigência de habilidades de manejo emocional, e ao mesmo tempo em que é esperado que ele zele pela aplicação da lei e ma nutenção da ordem, exige-se também que difunda uma imagem positiva e esteja em harmonia com a comunidade (e.g., Phillips & Sobol, 2012). Como consequência, o exercício da atividade profissio nal apresenta demandas de expressão e manejo das emoções que têm repercussões no bem-estar e saúde do policial (Van Gelderen, 2013).

O trabalho emocional, expressão cunhada por Hochschild (1983), refere-se tanto às demandas de expressão emocional da organização ou da ocupação (regras de emoções), quanto às estraté gias usadas pelo trabalhador para lidar com tais demandas e regras. O que diferencia esse tipo de manejo de outros processos de regulação emocional (Gross, 2015) é o fato de ele estar sob o controle externo (organização, papel profissional e clientes), sendo um critério de avaliação do bom desempe nho laboral (Grandey, 2000). As três principais características desse fenômeno, na perspectiva de Hochschild (1983), são: (i) ocorre em intera ções face a face entre funcionários e clientes, ou entre funcionários; (ii) serve de orientação explí cita da organização empregadora ou da ocupação sobre quais emoções o trabalhador deve exibir, e com qual intensidade, de modo a influenciar os comportamentos e os estados afetivos de clien tes e colegas; e (iii) o fato de o controle direto ou indireto do processo de autorregulação emocional estar nas mãos do cliente, da organização ou dos colegas de trabalho, ou seja, tornar-se público e externo ao indivíduo.

Existem duas estratégias básicas de regulação no trabalho emocional (Hochschild, 1983; Von Scheve, 2012). A primeira é a atuação profunda (deep acting), que consiste na alteração conscien te e intencional dos sentimentos (internos) para expressar, externamente, emoções congruentes com as demandas do trabalho. O esforço se dirige para mudar a experiência interior para expressar o que de fato se sente (e.g., Van Gelderen, 2013), na tentativa de maior autenticidade, diminuindo o impacto negativo no bem-estar. A reavaliação é um dos principais mecanismos de atuação profunda (e.g., Hülsheger & Schewe, 2011).

A segunda estratégia é a atuação superficial (surface acting). Consiste na regulação somente das expressões emocionais, sem modificar a ex periência interior (Von Scheve, 2012). O custo para o bem-estar do trabalhador pelo uso dessa estratégia depende da tolerância individual para com a dissonância emocional entre os sentimentos internos e a expressão externa (Grandey & Gabriel, 2015; Gross & John, 2003). É considerada uma estratégia associada à incidência de burnout (e.g., Brotheridge & Grandey, 2002). O uso de estraté gias de ação superficial, por exemplo, a supressão de emoções, prejudica as interações sociais (John & Gross, 2007), ao contrário da reavaliação, uma estratégia de ação profunda associada ao bem-estar (Wranik, Barret, & Salovey, 2007).

Esses resultados foram confirmados no estudo de meta-análise de Hülsheger e Schewe (2011) so bre os custos do trabalho emocional no bem-estar. Tais autores concluíram que a dissonância emocio nal e as estratégias de ação superficial impactam negativamente nos indicadores de bem-estar, ao contrário das estratégias de ação profunda. Já o estudo conduzido por Schaible (2006), encontrou que a atuação profunda e a superficial estavam positivamente associadas ao estresse no trabalho e ao aumento do sofrimento psíquico, o que aponta para a necessidade de se testar, em outras amos tras, o uso dos dois tipos de estratégias de traba lho emocional, particularmente em uma categoria ocupacional com muitas demandas emocionais como a dos policiais. Nesse intuito, o objetivo desta pesquisa foi verificar o papel preditor do trabalho emocional na incidência de burnout em policiais militares.

A primeira hipótese (h1) deste estudo, por con seguinte, testa se as estratégias de atuação profun da e atuação superficial estariam positivamente relacionadas à exaustão emocional, logo, ao bur nout em policiais militares. Foi utilizada apenas a dimensão da exaustão emocional da escala de burnout, tendo em vista ser esta dimensão, de fa to, a que melhor parece caracterizar o fenômeno (e.g., Maslach, Schaufeli & Leiter, 2001; Maslach & Leiter, 1997), e a que aparece como prevalente na experiência de burnout entre policiais em uma série de investigações (eg. Schaible, 2006; Suresh, Anantharaman, Subramanian & Ajitha, 2014; Van Gelderen, 2013).

Essas estratégias de gerenciamento emocional são utilizadas conforme o grau de pressão para a conformidade com as regras de exibição organi zacionais e ocupacionais, e também de tolerância à dissonância entre o que se sente e o que se deve sentir (Grandey & Gabriel, 2015). No caso das instituições policiais, tais regras se referem à neces sidade de expressar e suprimir emoções diversas, desde ser simpático e acolhedor com uma vítima, até ser hostil e inquiridor com um criminoso. Es sa diversidade é considerada fonte de dissonân cia emocional, haja vista a grande probabilidade de que nem sempre os policiais estarão, de fato, sentindo o que precisam expressar (Van Gelderen, 2013). Isso coloca em risco seu bem-estar (Van Gelderen, Bakker, Konijn & Demerouti, 2011). Logo, a segunda hipótese (h2) deste estudo testa se a demanda percebida, de exibir emoções po sitivas e ocultar negativas, estaria positivamente relacionada à exaustão emocional e, portanto, ao burnout em policiais militares.

Por fim, as exigências de manejo emocional pelo policial, decorrentes das interações com di versos atores sociais em um contexto de trabalho marcado por pressões, tensões e exigências ins titucionais, têm sido fonte de queixas de burnout (e.g., Hülsheger & Schewe, 2011; Van Gelderen, 2013). A intensidade e variedade de expressões emocionais requeridas nessas interações, outra fa ceta do trabalho emocional, também são preditores de burnout (Botheridge & Lee, 2002). Conforme destacam Schaible (2006) e Van Gelderen (2013), policiais são um grupo propenso a experimentar pelo menos um grau moderado de burnout. Para explorar essa possibilidade, foi formulada a terceira hipótese (h3), a de que frequência das interações emocionais, variedade e intensidade das expressões emocionais estarão positivamente relacionadas à exaustão emocional e, portanto, ao burnout.

Ao se considerar a realidade dos policiais onde esta pesquisa foi realizada, caracterizada por pre cariedade e intensificação do trabalho, as hipóteses formuladas ganham uma relevância ainda maior, pois ao identificar uma eventual situação de ado ecimento, e potencial via de enfrentamento pelo ângulo do trabalho emocional, ações podem ser propostas, visando preservar o bem-estar destes profissionais.

Método

Participantes

Os participantes foram contatados por meio de prospecção ativa dos pesquisadores, por indi cação de órgãos de classe e indicação de outros participantes que haviam respondido à pesqui sa (técnica da "bola de neve"). Adicionalmente, a Polícia Militar do Estado da Federação onde foi realizada a pesquisa, mediante seu Comando Geral e dos órgãos de direção e execução, enga jaram-se ativamente na consecução do presente trabalho, autorizando e apoiando oficialmente sua realização. Os participantes precisaram atender o critério de estar vinculados formalmente à Polícia Militar daquele Estado da Federação, e o de estar atualmente ativos profissionalmente em qualquer unidade da PM nessa unidade federativa. Não pu deram participar da pesquisa aqueles policiais que, embora vinculados à pm, não estivessem em atividade no momento da coleta de dados (férias, licenças médicas ou aposentadoria).

A amostra final foi composta por 525 policiais militares de um Estado do nordeste brasileiro, com idades compreendidas entre 23 e 56 anos (m = 37,76; dp = 5,5), dos quais 57,3 % são atuantes no serviço externo (policiamento ostensivo, rondas, tropas de choque), e 42,7 % desempenhando servi ços internos (atividades burocráticas, atendimento ao público). Tal divisão foi incluída visando captar diferenciações de demandas de trabalho emocional e níveis de exaustão emocional de acordo com as características da atuação profissional. A média do tempo de trabalho na polícia é de 14 anos (dp = 5,0). Há predominância do número de homens (408 participantes, 77,7 % da amostra) sobre o de mulheres (117 participantes, 33,3 % da amostra), realidade histórica dessa instituição (Oliveira & Santos, 2010). A maioria dos participantes está em uma união estável (79,2 %), possui Ensino Médio completo (35,6 %) e detém a patente de Soldado de 1a Classe (41,5 %).

Instrumentos

O questionário utilizado para coleta de dados foi composto por um grupo de questões sociodemo-gráficas (como variáveis-controle) e três escalas, descritas a seguir:

  • Emotional Labour Scale ou ELS (Botheridge & Lee, 2003), originalmente composta por 15 itens, avaliados por meio de uma escala de 5 pontos (1 = nunca; 5 = sempre). A escala avalia a percepção das demandas emocionais do trabalho e as estratégias de regulação emo cional, e possui cinco dimensões: estratégias de atuação profunda (3 itens, a = 0,74) [ex. de item: "Faço um esforço para, de fato, sentir as emoções que preciso expressar aos outros"]; estratégias de atuação superficial (3 itens, a = 0,83) [ex. de item: "Finjo sentir emoções que na verdade não estou sentindo"]; variedade das demandas emocionais (3 itens, a = 0,76) [Ex. de item: "Expresso muitas emoções diferen tes"]; intensidade das demandas emocionais (2 itens, a = 0,74) [ex. de item: "Expresso emoções intensas"]; e frequência e duração das interações que exigem regras emocionais (5 itens, a = 0,71) [exs. de itens "Interajo com clientes no meu trabalho" e "Uma interação típica no meu cotidiano de trabalho dura..."].

  • Emotion Work Requirements Scale ou EWRS (Best, Downey & Jones, 1997), cuja versão original é composta por 7 itens respondidos a partir de 5 pontos (1 = nunca; 5 = sempre). A medida averigua a extensão com que é exigido cotidianamente do trabalhador que expresse emoções positivas (4 itens, a = 0,78) [ex. de item: "Permanecer calmo mesmo quando estou tenso/irritado"], ou oculte emoções negativas (3 itens, a = 0,77) [ex. de item: "Esconder o meu desagrado com algo que alguém tenha feito"] (Grandey, 1998).

  • Subescala de exaustão emocional do Maslach Burnout Inventory for Human Service Survey (mbi Hss), de Maslach e Jackson (1986), tra duzida e adaptada para o Brasil por Roazzi, Carvalho & Guimarães (2000), composta por 9 itens (a = 0,84), que permitem a avaliação de vivências dessa dimensão do burnout, respon didos numa gradação de 0 (nunca) a 6 (todos os dias) [ex. de item: "Sinto-me emocionalmente esgotado pelo meu trabalho"].

As escalas ELs e EWRs foram traduzidas para o português de Portugal por Carvalho & Peralta (2011), e adaptadas semanticamente para a realida de do público-alvo de policiais a partir da realiza ção de dois pré-testes. Do primeiro, participaram 40 policiais militares (35 homens e 5 mulheres), com idade média de 32 anos, sendo a maioria composta por soldados de 1a e 2a classes (34), trabalhando no serviço externo (10) e interno (30). Gerou-se uma segunda versão das duas escalas, submetidas novamente a um segundo pré-teste, do qual par ticiparam 10 policiais militares (cinco homens e cinco mulheres), sendo Soldados de 1a (dois) e 2a Classe (quatro), Cabos (três) e Primeiro Tenente (um). Novos ajustes foram feitos. A versão final da els ficou com 12 itens, e a EWRS permaneceu com 7 itens, tendo sido realizadas apenas adaptações textuais, visando maior coerência com a realida de da população investigada. Com a subescala de exaustão emocional, o protocolo de coleta de dados reuniu 29 itens.

Procedimentos

Para a coleta de dados, foram visitados locais de trabalho e formação dos policiais em todas as mesorregiões. Antes das aplicações, foram expli cados aos participantes os objetivos da pesquisa, justificativas, procedimentos, riscos e benefícios, e garantido o anonimato. A seguir, foi apresentado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (tcle), que foi lido e assinado por aqueles que demonstraram interesse em participar da pesqui sa, declarando assim anuência quanto aos proce dimentos apresentados. Os dados das respostas ao instrumento foram compilados em ferramenta informacional e inspecionados, verificando-se a inexistência de um padrão para as respostas deixa das em branco. Assim, apenas questionários sem missings foram mantidos e utilizados para análise.

Embora a investigação tenha contado com po liciais de todo o estado, a amostra final não se apresenta estratificada. Não se busca, pois, re tratar a situação de cada uma das mesorregiões dos participantes. Apenas os dados oriundos da aplicação presencial foram utilizados. O proje to de pesquisa que deu origem a este artigo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sob o registro CAAE n° 23067513.1.0000.5537.

Análise de dados

Foram realizadas análises exploratórias na bus ca de possíveis erros de registro de dados, outliers univariados (escores-z > 3,29) e multivariados (Distância de Mahalanobis, sob p < 0,01). Nenhum questionário foi excluído a partir desses critérios. Os dados das escalas submetidas à adaptação se mântica (els e ewrs) passaram por um processo de validação cruzada (Laros, 2005). Para tanto, procedeu-se a uma divisão randômica da amos tra em duas partes: amostra 1 (259 participantes) e amostra 2 (266 participantes). A amostra 1 foi designada como Grupo-Treinamento, e a amostra 2, como Grupo-Teste. Pelo fato de a subescala de exaustão emocional já ter sido adaptada para o contexto brasileiro, inclusive com policiais mili tares (Codo, Miranda & Aine, 2005), ela não foi submetida ao processo de validação cruzada, e também por se tratar de uma medida com extenso suporte da literatura. Apenas a consistência interna (alfa) dos itens que a compõem foi aferida.

No Grupo-Treinamento foram realizadas Aná lises Fatoriais Exploratórias (AFEs), utilizando-se da técnica de Fatoração dos Eixos Principais (paf) e rotação oblíqua (Promax), replicando os procedi mentos adotados pelos autores originalmente. As soluções fatoriais obtidas nesta etapa orientaram a realização de Análises Fatoriais Confirmatórias (afc) com os dados do Grupo-Teste, por meio do software amos (v.21). Nas AFCs, utilizou-se o mé todo da Maximum Likelihood (ml) para estimação dos parâmetros. Os índices de assimetria e curtose dos itens dos instrumentos submetidos à afe e afc oscilaram entre |-0,330 a -0,778|, e |-1,275 a 0,010|, respectivamente. Embora não se tenha observado normalidade multivariada para esses itens (Mardia, 1970), os parâmetros observados não implicam em violação severa aos pressupostos necessários para a realização de ambas as análises, conforme critérios apresentados por Byrne (2010). Os índi ces de ajuste utilizados se basearam nos critérios apresentados por esses dois últimos autores.

Análises de correlação foram conduzidas a fim de explorar o comportamento das variáveis e sub sidiar a última etapa da análise, a regressão linear múltipla. O método usado foi stepwise, pois não se dispunha de um modelo teórico prévio consolida do acerca das relações investigadas na população em estudo. Todas as variáveis que apresentaram relações significativas entre si foram inseridas no modelo. No primeiro passo, foram inseridas as variáveis-controle. Do segundo ao sexto passo, foram adicionadas as variáveis independentes re lativas ao trabalho emocional, uma em cada passo, na seguinte ordem: variedade e intensidade das emoções, atuação profunda, demanda pela ex pressão de emoções positivas, atuação superficial e, por fim, frequência de interação com suspeitos e criminosos. Foram verificados, e atendidos, to dos os pressupostos necessários à realização da regressão - incluindo a normalidade de resíduos (Judd, McClelland & Ryan, 2009).

Resultados

Inicialmente, são apresentados os resultados da validação cruzada das duas escalas: els e ewrs. São mencionados, então, os indicadores de exaus tão emocional entre os policiais da amostra. Por fim, são descritos os resultados das análises de regressão, que testaram o poder de predição das variáveis do estudo nos indicadores de exaustão emocional.

No Grupo-Treinamento, a amostra mostrou-se favorável (p < 0,001): els (kmo = 0,76) e ewrs (kmo = 0,72). No processo, foram suprimidos os itens com coeficientes menores que |0,40|: cinco da els e um da ewrs. As estruturas fatoriais fo ram definidas por meio da inspeção do screeplot, cotejando-se com o quadro teórico.

A análise da ELS apresentou uma estrutura de três fatores, explicando 58,3 % da variância (a = 0,80), com cargas fatoriais variando de 0,59 a 0,98. O primeiro fator reuniu itens referentes às dimen sões variedade e intensidade. Essa composição já havia sido apontada por Botheridge e Lee (2003) nos testes de validação da escala, interpretado como algo derivado da possível dificuldade de distinção dessas diferentes facetas da vivência emocional. Portanto, o fator foi nomeado de va riedade e intensidade das emoções (três itens, a = 0,80). O segundo fator abarcou os itens referentes à estratégia de atuação profunda (dois itens, a = 0,69), recebendo essa mesma denominação. O terceiro fator reuniu os itens de estratégia de atu ação superficial (dois itens, a = 0,70). Essa estru tura fatorial foi submetida à afc no Grupo-Teste, apresentando excelentes índices de ajustamento, sem necessidade de reespecificações: x2/gl = 2,41, p < 0,001; rmsea = 0,07; srmr = 0,05; cfi = 0,97; e tli = 0,95.

Figura 1 Análise Fatorial Confirmatória da els Fonte: os autores. 

A AFE realizada com a EWRS apresentou uma estrutura de dois fatores com seis itens, explicando 43 % da variância (a = 0,70). As cargas fatoriais oscilaram entre 0,45 e 0,90. No primeiro fator, demanda de expressão de emoções positivas, sa turaram três itens referentes à exigência de expres sar emoções positivas no cotidiano de trabalho (a = 0,736). No segundo, nomeado de demanda de ocultação de emoções negativas, saturaram três itens referentes à necessidade de esconder emoções negativas como parte do trabalho (a = 0,70). Essa estrutura fatorial foi submetida à AFC no Grupo-Treino, apresentando excelentes índices de ajustamento, também sem a necessidade de reespecificações: x2/gl = 1,29, p < 0,001; rmsea = 0,05; SRMR = 0,05; cfi = 0,97; e tli = 0,95. Por fim, no caso da subescala de exaustão emocional (MBI-HSS), os nove itens de sua estrutura unifatorial mostraram alta consistência interna (a = 0,92).

Figura 2 Análise Fatorial Confirmatoria da EWRS Fonte: os autores. 

Sobre os indicadores de burnout entre poli ciais da amostra do estudo, adotou-se o cálculo do escore de exaustão emocional, sugerido por Maslach e Leiter (2008), assim especificados: (i) 0 a 19 pontos, nível de burnout baixo; (ii) 20 a 26, nível médio; e (iii) acima de 27 pontos, nível de burnout alto. Com base nesse cálculo, a maioria dos policiais (337 dos 525, ou 64 %) encontra-se no nível alto de exaustão emocional (m = 31,31). O teste-t, comparando policiais atuando externa ou internamente, mostrou diferenças significativas entre médias t(523) = 6,22, p < 0,005. Policiais atuando externamente (m = 34,46; DP = 12,75) apresentam maiores indicadores de exaustão emo cional do que seus colegas atuando internamente (m = 27,08; dp = 14,26).

A tabela 1 apresenta o modelo final das análi ses de regressão, o qual explica 44 % da variância da exaustão emocional na amostra (F(15, 509) = 157,62, p < 0,001). Durante os procedimentos de regressão foram excluídas as variáveis atuação no serviço interno e demanda por ocultação de emoções negativas (p = 0,34 e p = 0,43, respec tivamente). Cinco das seis variáveis preditoras (trabalho emocional) e nove das 11 variáveis de controle, submetidas à análise, permaneceram no modelo após a regressão.

Tabela 1  Análise de regressão múltipla com a variável-critério "exaustão emocional" 

b se b B
(Constante) 10,27 3,58
Atuar no serviço externo 5,11 1,02 0,18***
Ser Solteiro(a) 2,87 1,97 0,07
Ser Casado(a) 1,28 1,53 0,04
Ser Separado(a)/ divorciado(a) 3,49 2,14 0,07
Ser Cabo -2,98 1,08 -0,10**
Ser Soldado 2.° classe -,60 1,53 -0,01
Ser Segundo Tenente -2,26 3,04 -0,03
Ter o ensino fundamental completo -3,66 2,18 -0,06
Ter o ensino médio completo -2,62 1,12 -0,09*
Ter o ensino superior incompleto 2,36 1,29 0,07
Variedade e intensidade das emoções 1,50 ,19 0,36***
Atuação Profunda 1,12 ,28 0,17***
Demanda de expressão de emoções positivas -,94 ,22 -0,15***
Atuação Superficial ,88 ,24 0,13***
Frequência de interação com suspeitos ou criminosos 1,09 ,33 0,11**

Nota: R2a = 0,44

*p< 0,05, ** p< 0,01, *** p < 0,001

Como se nota pela tabela 1, entre as variáveis-controle, os indicadores de exaustão emocional foram preditos principalmente pelo trabalho no setor externo = 0,18). A frequência da interação também prediz a exaustão, embora em menor grau = 0,11). Quanto aos fatores do trabalho emocio nal, o modelo revelou que, quanto mais diversos e intensos os afetos vivenciados pelos policiais militares, maior a tendência de exaustão emocional = 0,36). Ambas as atuações, profunda (β = 0,17) e superficial (β = 0,13) à predizem os indicadores de burnout, sugerindo que, independente da es tratégia usada, ela tem impactos negativos para o policial. A demanda percebida quanto à necessi dade de expressar emoções positivas como parte do trabalho policial está associada à redução de indicadores de exaustão emocional = - 0,15).

Discussão

Os resultados sugerem que a primeira hipótese (h1) foi corroborada, pois a tentativa de modifica ção dos sentimentos internos (atuação profunda) e a expressão emocional (atuação superficial) são preditoras de exaustão emocional entre os policiais investigados. Esses achados colocam em discus são um estudo de meta-analise desenvolvido por Hülsheger e Schewe (2011), baseado em 494 cor relações individuais de uma amostra de 95 estudos independentes, que apontavam que a dissonância emocional e a estratégia de atuação superficial estão fortemente associadas a indicadores de prejuízos ao bem-estar, ao contrário da atuação profunda - associada a uma boa performance emocional e satisfação do consumidor.

No entanto, tais achados alinham-se a outros, como os de Abraham (1998), Botheridge e Gran-dey (2002), e Van Gelderen (2013), para os quais todo trabalho emocional possui um custo pessoal e afetivo, não importando a estratégia usada pe lo trabalhador. Aliam-se também às discussões trazidas por Liu, Prati, Perrewe & Ferris (2008), para quem o uso de estratégias de atuação profunda pode exigir grande esforço cognitivo. A atuação superficial também teria um custo, pois enquanto nesta última o esforço é de fingir o que não se sente, na atuação profunda se exige forte engaja mento, motivação e identificação com a profissão para mudar estados internos e se manter em con formidade com as regras de exibição emocional.

O uso frequente de estratégias de supressão, como a atuação superficial, pode aumentar o risco de períodos prolongados de depressão e emoções negativas (Gross & John, 2002). Uma série de outras investigações revisadas concordam que o excesso de regulação das emoções pode prejudicar o bem-estar dos trabalhadores, pois são afetiva mente desgastantes e interferem no funcionamento fisiológico (Brotheridge & Grandey, 2002; Brotheridge & Lee, 2003).

A hipótese (h2) que testou se a demanda perce bida de exibir emoções positivas e ocultar negati vas estaria positivamente relacionada à exaustão emocional e, portanto, ao burnout, não foi corro borada empiricamente. Os achados indicaram que a necessidade percebida de expressar emoções positivas no cotidiano de trabalho dos policiais militares atenua o efeito negativo para a exaustão emocional. Uma explicação para esse resultado é que um aumento na expressão de emoções positivas pode contribuir para respostas também positivas de outros atores sociais envolvidos no trabalho dos policiais militares, como colegas, superiores e populares, diminuindo os desgastes e custos emocionais do trabalho (Côté & Morgan, 2002).

A expressão de emoções positivas tenderia, portanto, a aumentar a satisfação no trabalho for talecida pelo feedback social positivo, servindo também como recurso de enfrentamento aos pos síveis resultados negativos do trabalho, como a exaustão emocional (Grandey & Gabriel, 2015). Essa interpretação parece fazer ainda mais sen tido quando se consideram um dos antecedentes da incidência de burnout entre policiais: a anta gonização entre trabalhador e comunidade (Lee & Botheridge, 2006). É possível que a expressão de emoções positivas, caso evoque, de fato, um feedback social positivo de membros da comuni dade, permita o estabelecimento de um sentimento positivo de conexão com os outros no próprio trabalho e na sociedade.

Cabe destacar que a ocultação de emoções ne gativas não permaneceu no modelo de regressão deste estudo, embora tenha apresentado correlações positivas com os indicadores de trabalho emocio nal. Isso sinaliza que suprimir estados afetivos negativos, tem um papel relevante na atividade de policiais militares para esconder o medo e o receio durante o enfrentamento à criminalidade em situações de risco, conter sinais de frustração e antipatia no atendimento a vítimas e populares, ou disfarçar desagrado diante de comportamentos de colegas e superiores. Entretanto, não há evi dências de impactos nos indicadores de burnout.

Por último, a terceira hipótese (h3) testou se a frequência das interações emocionais, e a variedade e intensidade das expressões emocionais, estariam positivamente relacionadas à exaustão emocional. O modelo de regressão indicou que variedade e intensidade são os principais preditores de exaus tão emocional. As exigências de manifestação di versificada de emoções mobilizam mais recursos mentais e físicos dos policiais, tornando-se uma fonte de estresse, confirmando outros estudos (e.g., Schaible, 2006; Van Gelderen, 2013). Frequência de interação com suspeitos e criminosos também se revelou um preditor significativo de burnout, em razão dos riscos associados a essa frente de atuação, mais ligada ao policiamento ostensivo, e também em razão das demonstrações emocionais intensas necessárias a essas interações (Suresh et al., 2014).

Constatou-se, todavia, que entre as variáveis de controle, a de atuar no serviço externo (e.g., policiamento ostensivo e enfrentamento direto à criminalidade) foi o principal preditor da inci dência de exaustão emocional. É justamente no serviço externo que os policiais se defrontam com a violência e situações de risco, fontes de estres se marcantes nessa ocupação. Trata-se, ainda, de uma das frentes mais afetadas pelas condições de trabalho, em geral precárias na realidade por eles vivenciada.

Ao levar em conta os níveis hierárquicos, os resultados apontam que ocupar o cargo de Cabo atenua o impacto negativo nos indicadores de exaustão emocional, algo explicado por fatores contingenciais. Em 2014, após anos de estagnação dos postos de trabalho, que tornava praticamente inexistente a progressão de um nível hierárquico para o superior na carreira militar, e pouco antes do período de coleta de dados desta pesquisa, ocorreu a progressão de centenas de policiais mi litares do posto de Soldados de 1a e 2a Classe, justamente para o de Cabo. Presume-se que essa conquista teve impactos positivos sobre a avalia ção dos policiais de seu próprio trabalho. Quanto ao nível educacional, possuir o Ensino Médio completo também parece atenuar a incidência de exaustão emocional. Esse dado é compatível com achados de Guimarães et al. (2014), que apontam que a menor escolaridade está associada a uma avaliação menos crítica da experiência laboral, diminuindo a percepção de certos sofrimentos ou condições adversas presentes na realidade ocupa cional desses trabalhadores.

Para encerrar, são destacadas algumas limi tações e contribuições deste estudo. A primeira limitação é a natureza correlacional e transver sal desta pesquisa. Conforme já havia criticado Liu et al. (2008), os fenômenos aqui investigados possuem uma dinâmica que pode variar ao longo do tempo e não são facilmente apreendidos por instrumentos de autorrelato, principalmente pela desejabilidade social, de forte presença em ins tituições militares, cujo respeito à hierarquia e à conformidade é fundamental. Isso se soma a uma limitação externa: o contexto atual da Polícia Mili tar onde foi realizado o estudo, que passa por difi culdades muito críticas. Isso pode ter condicionado a percepção e a avaliação dos participantes. Por fim, a ausência de outros estudos brasileiros so bre o trabalho emocional de policiais militares foi outra limitação, pois impediu a comparação dos resultados.

Apesar dessas limitações, o estudo contribui com a literatura sobre trabalho emocional, ao adap tar versões das escalas els e ewrs para a população investigada, abrindo caminho para suas aplicações em novos estudos brasileiros. A averiguação dos impactos de facetas do trabalho, tais como setor de atuação e posição hierárquica, sobre a incidência de burnout entre os policiais investigados, reforça a importância de pautas correntes de reivindicações dos policiais militares, para melhorar as condições de trabalho nas ruas e orientar o plano de carreira da instituição. A constatação de que os impactos ne gativos das demandas de trabalho emocional são mais visíveis em policiais que atuam externamente, alerta para a necessidade de maior preparo desses profissionais para preservar seu bem-estar. Tendo em vista a dificuldade de minimizar as demandas de manejo emocional, dadas as características da atividade policial, torna-se recomendável ado tar ações de desenvolvimento de competências socioemocionais.

Referências

Abraham, R. (1998). Emotional dissonance in or ganizations. Genetic, Social, and General Psychology Monographs, 124(2), 229-246. Disponível em http://search.proquest.com/openview/100110aed86d701b79fddd21b802e-31b/1?pq-origsite=gscholarLinks ]

Best, R. G., Downey, R. G., & Jones, R. G. (1997). Incumbent perceptions of emotional work re quirements. Paper presented at the 12th annual meeting of the Society for Industrial and Orga nizational Psychology, Missouri, EUA. [ Links ]

Brotheridge, C. M. & Grandey, A.A. (2002). Emo tional labor and burnout. Journal of VocationalLinks ]

Behavior, 60(1), 17-39. doi: http://dx.doi.org/10.1006/jvbe.2001.1815Links ]

Brotheridge, C. & Lee, R. (2003). Development and validation of the emotional labor scale. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 76(3), 363-379. doi: http://dx.doi. org/10.1348/096317903769647229Links ]

Byrne, B. M. (2010). Structural equation modeling with AMOS. New York: Routledge. [ Links ]

Carvalho, C. M. S., & Peralta, C. F. (2011). Gestão das emoções em contexto de trabalho [Managing emotions in the work place]. Revista Psicologia na Actualidade, 3(2), 140-141. Disponível em http://www.psicologianaactualidade.com/index.php?/bem_estar_e_saude/terceiro_numero.htmlLinks ]

Cihan, A., & Wells, W. (2011). Citizens' opinions about police discretion in criminal investigations. Policing: An International Journal of Police Strategies & Management, 34(2), 347-362. doi: http://dx.doi.org/10.1108/13639511111131120.Links ]

Codo, W., Miranda, B. S., & Aine, G. (2005) Diag nóstico integrado do trabalho [Integrated work diagnosis]. Laboratório de Psicologia do Tra balho. Brasília: LPT. [ Links ]

Côté, S., & Morgan, L. M. (2002). A longitudinal analysis of the association between emotion regulation, job satisfaction, and intentions to quit. Journal of Organizational Behavior, 23(1), 947-962. doi: http://dx.doi.org/10.1002/job.174.Links ]

Dantas, M. A., Brito, D. V. C., Rodrigues, P. B., & Maciente, T. S. (2010). Avaliação de estresse em policiais militares [Stress assessment in military police]. Psicologia: Teoria e Práti ca, 12(3), 66-77. Disponível em http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/2092/0. [ Links ]

Grandey, A. A. (2000). Emotion regulation in the work place. Journal of Occupational Health Psychology, 5(1), 95-110. doi: http://dx.doi.org/10.1037//1076-8998.5.1.95.Links ]

Grandey, A. A., & Gabriel, A. (2015). Emotional labor at a crossroads. Annual Review of Organizatio nal Psychology and Organizational Behavior,2, 323-349. doi:http://dx.doi.org/10.1146/an-nurev-orgpsych-032414-111400. [ Links ]

Gross, J. J. (2015). Emotion regulation: Current status and future prospects. Psychologi cal Inquiry, 26, 1-26. doi: http://dx.doi.org/10.1080/1047840X.2014.940781.Links ]

Gross, J. J., & John, O. P. (2002). Wise emotion re gulation. In L. F. Barettand P. Salovey (Eds.), The wisdom in feeling (pp. 297-318). New York, NY: Guilford. [ Links ]

Guimarães, L. A., Mayer, V. M., Bueno, H. P., Mi-nari, M. R., & Martins, L. (2014). Síndrome de burnout e qualidade de vida de policiais militares e civis [Burnout syndrome and life's quality of military and civilian police]. Revis ta Sul Americana de Psicologia, 2(1), 98-122. Disponível em http://www.revista.unisal.br/am/index.php/psico/article/view/32. [ Links ]

Hakanen, J. J., & Schaufeli, W. B. (2012). Do burnout and work engagement predict depressive symp toms and life satisfaction? Journal of Affective Disorders, 141(2), 415-424. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jad.2012.02.043.Links ]

Hochschild, A. R. (1983). The managed heart. Los Angeles: University of California Press. [ Links ]

Hülsheger, U. R., & Schewe, A. F. (2011). On the costs and benefits of emotional labor. Journal of Occupational Health Psychology , 16(3), 361- 389. doi: http://dx.doi.org/10.1037/a0022876.Links ]

John, O. P., & Gross, J. J. (2007). Individual differen ces in emotion regulation. In J. J. Gross (Ed.), Handbook of emotional regulation (pp. 351 372). New York, London: The Guilford Press. [ Links ]

Judd, C. M., McClelland, G. H., & Ryan, C. S. (2009). Data analysis. New York: Routledge . [ Links ]

Laros, J. A. (2005). O uso da análise fatorial [The use of factor analysis]. In L. Pasquali (Org.), Análise fatorial para pesquisadores (pp. 163 -184). Brasília: LabPAM. [ Links ]

Lee, R. T., & Brotheridge, C. M. (2006). Crossing the thin blue line. Canadian Journal of Police and Security Services, 4, 250-262. Disponí vel em https://www.questia.com/library/journal/1G1-147390788/crossing-the-thin-blue-line-a-review-of-the-prevalence. [ Links ]

Liu, Y., Prati, L. M., Perrewe, P. L., & Ferris, G. R. (2008). The relationship between emotional re sources and emotional labor. Journal of Applied Social Psychology, 38, 2410-2439. doi: http://dx.doi.org/10.1111/j.1559-1816.2008.00398.x.Links ]

Mardia, K. V. (1970). Measures of multivariate skew-nees and kurtosis with applications. Biometrika, 57, 519-530. doi: http://dx.doi.org/10.1093/biomet/57.3.519.Links ]

Maslach, C., & Jackson, S. E. (1986). The Maslach Burnout Inventory. Palo Alto: Consulting Psy chologists Press. [ Links ]

Maslach, C., & Leiter, M. P. (1997). The truth about burnout. San Francisco: Jossey Bass. [ Links ]

Maslach, C., Schaufeli, W., & Leiter, M. (2001). Job burnout. Annual Review Psychology, 52, 397 -422. doi: http://dx.doi.org/10.1146/annurev.psych.52.1.397.Links ]

Oliveira, K. L. de, & Santos, L. M. dos. (2010). Per cepção da saúde mental em policiais militares da força tática e de rua [Perception of mental health in street and tactical force military poli ce]. Sociologias, 12(25), 224-250. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222010000300009.Links ]

Phillips, S. W., & Sobol, J. J. (2012). Police de cision making. Policing: An Internatio nal Journal of Police Strategies & Mana gement, 35(3), 551-565. doi: http://dx.doi.org/0.1108/13639511211250794.Links ]

Roazzi, A., Carvalho, A. D., & Guimarães, P. V. (2000). Análise da estrutura de similaridade de burnout [Analysis of burnout similarity struc ture]. In: Anais do V Encontro Mineiro de Ava liação Psicológica: Teorização e Prática. Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/297738020_Analise_da_estrutura_de_similaridade_de_Burnout_ Validacao_da_escala_Maslach_Burnout_In-ventory_em_professores.Links ]

Schaible, L. M. (2006). The impact of emotional labor, value dissonance, and occupation iden tity on police officers' levels of cynicism and burnout. (Dissertação de Mestrado, Washington State University, Washington, Estados Unidos). Disponível em https://www.researchgate.net/publication/237542166_The_impact_of_emotional_labor_value_dissonance_and_occupational_identity_on_police_officers_levels_of_cynicism_and_burnout. [ Links ]

Suresh, S., Anantharaman, R. N., Subramanian, R., & Ajitha, A. (2014). Certain correlates of bur nout among police personnel in a metropolitan city of a developing country. Archives of Bu siness Research, 2(6), 1-8. doi: http://dx.doi.org/10.14738/abr.26.608.Links ]

Van Gelderen, B. R. (2013). At the heart of policing. (Tese de Doutorado, Faculty of Social Sciences (FSS), Rotherdam, Netherlands). Disponível em http://repub.eur.nl/pub/40298. [ Links ]

Van Gelderen, B. R., Bakker, A. B., Konijn, E. A., & Demerouti, E. (2011). Daily suppression of discrete emotions of police service workers and criminal investigation officers. Anxiety, Stress & Coping, 24(5), 515-537. doi: http://dx.doi.org/0.1080/10615806.2011.560665.Links ]

Von Scheve, C. (2012). Emotion regulation and emo tion work. Frontiers in Psychology, 496. doi: http://dx.doi.org/10.3389/fpsyg.2012.00496.Links ]

Wranik, T., Barret, L. F., & Salovey, P. (2007). Inte lligent emotion regulation. In J. J. Gross (Ed.), Handbook of emotional regulation (pp. 393- 407). New York: The Guilford Press. [ Links ]

Cómo citar este artículo:

1Alves, J. S. C., Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. G. (2017). Trabalho emocional e burnout: um estudo com policiais militares. Avances en Psicología Latinoamericana, 55(3), 459-472. doi: http://dx.doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.4505

Received: January 24, 2016; Accepted: September 10, 2016

aUniversidade Federal do Rio Grande do Norte. Correio eletrônico: joatasoares@gmail.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons